4/01/2015

[Resenha] A Seleção - Kiera Cass

Ano de publicação: 2012
Páginas: 368
Editora: Seguinte
Gênero: Ficção juvenil
Classificação: 4/5

Para trinta e cinco garotas, A Seleção é a chance de uma vida. É a oportunidade de ser alçada a um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha. Para America Singer, no entanto, estar entre as selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás o rapaz que ama, abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer e viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes. Então America conhece pessoalmente o príncipe e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que nunca tinha ousado imaginar.


A história gira em torno de América, uma jovem destemida e corajosa, que vive no reino de Illéa. Nesse futuro, o mundo é dividido em castas responsáveis por oferecer serviços à sociedade, estas vão de 1 a 8, quanto mais elevado o nível, mais pobre se é. América faz parte da casta número 5, a casta dos artistas, sendo uma musicista incrível, tanto na voz, quanto nos instrumentos. Sua família é composta dos pais e seus quatro irmãos,  sendo que os dois mais velhos já saíram de casa, deixando a responsabilidade de ajudar nas despesas para a garota.
No meio de toda dificuldade financeira da família, América mantém um relacionamento escondido dos pais, com Aspen, um garoto da casta 6. O romance passa por deveras dificuldades, a começar pelo fato de que se ela se casar com ele, sua casta irá diminuir e consequentemente, se tornar mais pobre. Devido à todos os problemas que os dois passam, o garoto decide colocar um fim no namoro, deixando America arrasada.
Ao mesmo tempo, o reino de Illéa estaria passando pela famosa "Seleção", no qual 35 garotas do país são selecionadas para serem escolhidas pelo príncipe, como a nova rainha e consequentemente, sua mulher. Sentindo a necessidade financeira e a angústia de ter sido abandonada por seu amado, América decide se inscrever para o programa. Mesmo ela achando que não teria a menor chance, acaba sendo selecionada. 
Nesse momento, vemos tudo acontecer muito rápido com America, desde sua seleção até a ida ao castelo. A pressão é constante e ao mesmo tempo emocionante.
Quando fui ler o livro confesso que achei que seria mais um romance meloso ou uma história boba de princesas, nem estava muito afim de ler, mas como tinha muita gente comentando que havia gostado, resolvi me render e não me arrependo. A história é bem mais que apenas um romance ou um triângulo amoroso, temos aventura, ação e principalmente opinião.
Eu me apaixonei por America, ao contrário do que eu esperava, ela é uma personagem forte, sarcástica e muito decisiva. Maxon é apaixonante e não dá pra não gostar dele, seu jeito fofo e educado nos faz derreter. É um livro bem leve, eu o li em dois dias e já quis a continuação. 
A Seleção realmente me surpreendeu e me deixou animada para as continuações, fico feliz de ter me rendido e começado a ler, agora não quero mais parar! haha

3/29/2015

USP disponibiliza mais de 3 mil livros grátis para download. Vem ver!

A USP (Universidade de São Paulo) tem um site na qual ela disponibiliza mais de 3 mil títulos para download, que vão desde livros raros até documentos históricos, manuscritos e imagens. É possível visualizar e fazer o download pelo site. O acervo foi digitalizado à partir de obras da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, pertencente à USP. A coleção foi doada pela família Mindlin à USP. São cerca de 17.000 títulos, ou 40.000 volumes, mas nem tudo ainda está digitalizado. 
O projeto vêm com o intuito de tornar acessível os fundos públicos de informação e documentação cientifica sob guarda da Universidade. Existem algumas regras para a utilização dos conteúdos, como a proibição do uso dos documentos e livros para uso comercial e a citação da fonte sempre que utilizar o conteúdo em outro contexto.
O acervo é dividido por autor, assunto e ano de publicação. Podendo ter acesso à obras de Machado de Assis, Euclides Cunha e vários outros autores. 
Para quem se interessou e quer ter acesso ao conteúdo clique aqui e aproveite!

3/22/2015

[Resenha] Os treze porquês - Jay Ashe

Ano de publicação: 2009
Páginas: 256
Editora: Ática 
Gênero: Ficção juvenil
Classificação: 5/5

Ao voltar da escola, Clay Jensen encontra um misterioso pacote com várias fitas cassetes. Ele ouve as gravações e se dá conta de que foram feitas por uma colega de classe que cometeu suicídio duas semanas antes. Nas fitas, ela explica que 13 motivos a levaram à decisão de se matar. Clay é um deles. Agora ele precisa ouvir tudo até o fim para descobrir como contribuiu para esse trágico acontecimento.

O livro gira em torno de Clay Jensen, um adolescente comum, que não usa drogas, não bebe, não fuma e é reconhecido por sua bondade com todos. Até que um dia ele recebe um pacote misterioso em sua casa, ao abrir o pacote encontra sete fitas cassetes, numeradas em 1 e 2, 3 e 4, 5 e 6, 7 e 8, 9 e 10, 11 e 12, e por fim 13. No começo ele fica sem saber muito  bem do que se trata, até descobrir que ali estavam contidos o desabafo de Hanna Barker, uma garota de sua escola que há alguns dias havia cometido suicídio.
Conforme Clay vai ouvindo as fitas, ele percebe que naquele desabafo a garota explica os treze motivos pelo qual se suicidou, mais precisamente as treze pessoas. O garoto fica sem entender o porquê de seu nome estar no meio de toda essa situação, ele que sempre foi bem visto por todos e assim, decide ouvir todas as fitas.
Ao ouvir as fitas Clay vai descobrindo coisas sobre pessoas que ele nunca imaginaria, desde os mais centrados até os mais populares. Ele vai tentando unir as histórias para descobrir a razão de seu nome estar ali, afinal, ele nunca desejou mal à Hanna, pelo contrário, ele gostava da garota, porém na única oportunidade que os dois tiveram ela se afastou, ele só não sabia o porquê, ainda.
Eu queria ler esse livro faz um tempo, por indicação de um amigo, mas ele só estava em falta em todas as lojas que eu procurei, até que decidi ler em ebook e não me arrependo. Foi um livro simplesmente fantástico, as situações pelas quais Hanna passa me deixaram sem palavras e me fizeram pensar mais sobre a minha vida, o meu cotidiano. Eu realmente senti uma conexão com a personagem, todas as dores, seus anseios e mesmo assim, ela conseguia ser forte, em meio à tudo pelo que ela vive. Para mim, a personagem me ganhou, é a demonstração da força interior que as pessoas tem, ela sofreu demais, e eu entendo os motivos pelos quais ela optou pela morte. Existem muitas garotas que como ela passam por situações parecidas e acabam optando por esse mesmo rumo, mas você aceita sua culpa nisso? Sim, isso mesmo. Você já parou pra pensar que aquela pessoa da sua escola que é toda tímida, não tem amigos e mal consegue olhar nos olhos das pessoas pode estar passando por problemas? Quem sabe um "oi" simpático pudesse fazer toda diferença? Posso dizer que também tenho culpa, quantas vezes não vi pessoas sozinhas em sala de aula e optei por não sair do meu lugar, não sair da minha "zona de conforto". Mas, quem sabe uma atitude boba não pudesse mudar a vida de alguém, assim como poderia ter mudado a de Hanna.
Hanna teria sido uma ótima amiga, digo isso porquê realmente conheci a personagem, teria sido uma garota sincera, simpática e engraçada, que te faria rir por qualquer bobeira. O livro me tocou demais, não foram poucas às vezes pelas quais eu queria entrar no livro, dar um abraço em Hanna e tirá-la daquele lugar. 
Os assuntos variam desde o suicídio, até bullying, depressão, fofocas e mais. Situações pelas quais a maior parte dos adolescentes passam, e da qual muitos não sabem lidar. Uma simples brincadeira pode mudar o dia de uma pessoa. Posso dizer que esse livro deixou sua marca em mim, não irei mais ver as pessoas ao meu redor da mesma forma, para mim serão várias Hanna's, das quais eu terei completa vontade de abraçar e não largar nunca mais. Eu recomendo esse livro pra todo mundo, mas já avisando que ao final do livro, vocês irão sentir falta de uma pessoa muito corajosa e que mesmo sem tempo pôde nos conquistar e deixar saudades: Hanna Barker.

3/20/2015

Mais um lançamento que a Dark Side traz pra gente, A Noive Fantasma, de Yangsze Choo.


“Certa noite, meu pai me perguntou se eu gostaria de me tornar uma noiva fantasma...”
Mais um lançamento vêm chegando na Dark Side, conheça A Noiva Fantasma, de Yangsze Choo, uma história de amor sobrenatural e amadurecimento. O livro conta a história de Li Lan, uma jovem que recebeu educação e cultura, mas que vive sem grandes perspectivas depois da falência de seus pais. Até surgir uma proposta capaz de mudar sua vida para sempre: casar-se com o herdeiro de uma família rica e poderosa. Há apenas um detalhe: seu noivo está morto. 
Por mais fantásticas que pareçam, as noivas fantasmas ainda resistem até hoje em parte da cultura asiática. A prática, que chegou a ser banida por Mao Tsé-Tung durante a Revolução Cultural, foi muito frequente na China e na Malaia (hoje Malásia) no final do século XIX. O casamento era usado para tranquilizar um espírito inquieto, e garantir um lar e estabilidade para as mulheres que diziam sim a maridos já falecidos. É claro que elas tinham um preço alto a pagar, e com Li Lan não seria diferente. Só pela sinopse eu já fiquei encantada e morrendo de vontade de ler, estou ansiosa! 

“A odisseia de Li Lan a mantém à beira da morte terrena e prende o leitor às páginas.” - New York Journal of Books

“O que faz com que tudo funcione neste romance é o mundo suntuoso da cultura emigrante chinesa e a história de amor que se desenrola sob tudo isso – uma história repleta de saudade, que as páginas praticamente suspiram conforme você vira cada uma delas.” - Oprah.com

3/16/2015

[Resenha] O menino do pijama listrado - John Boyne

Ano de publicação: 2006
Páginas: 186
Editora: Seguinte (Companhia das letras)
Gênero: Ficção, Literatura Irlandesa
Classificação: 4/5

Bruno tem nove anos e não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os judeus.Também não faz idéia de que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos de que sua família está envolvida no conflito. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e, para além dela, centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com um frio na barriga. Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel,um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. 'O Menino do Pijama Listrado' é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável.

Bruno é um garoto de 9 anos que não sabe nada sobre o holocausto e sobre a guerra, ele vive em Berlim na Alemanha, com seus pais e sua irmã Gretel, com quem vive implicando. O pai do menino é um comandante e por isso há a necessidade da mudança de cidade, o garoto não fica nada animado, não consegue se acostumar com o novo local, não vai à escola, não faz amizades etc.
Certo dia, Bruno vê pela janela do seu quarto uma cerca e do outro lado várias pessoas de pijama, dos quais ele não sabe nada. O garoto fica tão curioso que decide ir conhecer esse lugar estranho e assim se inicia uma grande aventura.
Bruno não faz ideia do que se passa naquele lugar e pensa em questionar o pai sobre o assunto, ao chegar no escritório (local proibido para as crianças) ele recebe a seguinte resposta: "Aquelas pessoas... Bem, na verdade não são pessoas, Bruno. Não são pessoas no sentido que entendemos o termo.", o que deixa o garoto ainda mais curioso e decide explorar. Durante essa visita à cerca, Bruno conhece Shmuel, um judeu que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele.
O livro é realmente muito tocante, ainda mais por ser contada na visão de uma criança. A amizade entre os dois ultrapassam barreiras, limites e circunstâncias, mesmo em uma Alemanha Nazista, a inocência de uma criança muda tudo e descarta qualquer tipo de preconceito. Resumindo, o livro é ótimo, te faz pensar muito e apesar de ter sido escrito bem rápido (dois dias e meio), ele não deixa de ser bom. Um bom livro pra se ler em um dia, bem curtinho (nem 200 páginas) e que nos emociona do começo ao fim.

3/11/2015

Lançamentos Dark Side Books - 2015 promete!

Hoje eu recebi um e-mail que me deixou super empolgada. A Dark Side compartilhou com alguns blogueiros dois lançamentos para o primeiro semestre desse ano. Eu sempre adorei os livros da editora, primeiro por sempre serem títulos que me surpreendem e segundo, por serem em capa dura (eu amo Hardcovers). E dessa vez ela não me decepcionou.

1º Lançamento: Golem e o Gênio - Helena Wecker.
 Primeiramente temos Golem e o Gênio, escrito por Helena Wecker. Misturando duas culturas diferentes, mas mesmo assim bem próxima. O leitor é levado à New York, na virada do século XX, em uma viagem pela cultura árabe e judaica. Chava é uma golem, criatura feita de barro, trazida à vida por um estranho rabino envolvido com os estudos alquímicos da Cabala. Ahmad é um gênio, ser feito de fogo, nascido no deserto sírio, preso em uma antiga garrafa de cobre por um beduíno, séculos atrás.Atraídos pelo destino à parte mais pobre de uma Manhattan construída por imi-
grantes, Ahmad e Chava se tornam improváveis amigos e companheiros de alma, desa-
fiando suas naturezas opostas. Até a noite em que um terrível incidente os separa. Mas uma poderosa ameaça vai reuni-los novamente, colocando em risco suas existências e obrigando-os a fazer uma escolha definitiva.


“Um passeio místico e profundamente original pelas calçadas de Nova York.” - Booklist

“Wecker combina as mitologias judaica e árabe para criar um romance mágico ambientado na Nova York de 1899 [...] Conforme Chava e Ahmad se unem contra uma ameaça terrível, a vizinhança em seu bairro, em Lower Manhattan, começa a tratá-los de maneira intrigante.” - Library Journal




2º Lançamento: Onde Cantam os Pássaros - Evye Wild.

Em seguida, temos Onde Cantam os Pássaros, de Evye Wild, a capa ficou linda e vi muita gente animada para o lançamento aqui no Brasil, além de já ter ganhado vários prêmios (incluindo Barnes & Noble Discover Award*). O livro conta a história de Jake White, uma fazendeira simples que vive em uma ilha inglesa, onde suas únicas companhias são os rochedos, a chuva, suas ovelhas e um cachorro chamado Cão. Agora, Jake questiona se realmente está sozinha, tendo de lidar de tempos em tempos com a morte de uma ovelha morta, o que pode ser muito bem obra das raposas que habitam a floresta próxima à sua fazenda. Ou de algo pior. Um menino perdido, um homem estranho, rumores sobre uma fera e fantasmas do seu próprio passado atormentam a vida de uma mulher que sonha com a redenção.
Aos poucos, vamos descobrindo mais sobre as suas habilidades em tosquiar e cuidar de ovelhas, aprendidas ainda quando jovem, em sua terra natal, na Austrália. E vamos aprendendo também o que aconteceu lá, que acabou por conduzir White à uma vida de reclusão e isolamento. E sobre as contradições e diferenças entre um passado (sempre narrado no tempo verbal presente) cheio de vida e calor, e o presente (narrado por sua vez no passado) repleto de lama, frio e um ritmo mais desacelerado, paira uma atmosfera absolutamente brutal.
Com uma prosa verdadeiramente excepcional, o estilo da autora reúne tanto clareza como substância e apresenta uma personagem inesquecível, enigmática, trágica, assombrada por um passado inescapável. Uma mulher forte, ainda que tão passível de falhas, erros e equívocos como todos nós. É uma história de solidão e sobrevivência, culpa, perda e o poder do perdão. Uma escrita visceral onde sentimos a presença de tudo, os odores, o vento, o tempo. Nada passa desapercebido.

"Ela queria se isolar de tudo e todos, mas agora está cercada pela crueldade do silêncio e a mais pura manifestação da natureza. O ciclo da vida é muito mais assustador quando o fim ecoa dentro de nós." - Dark Side Books

“Uma história repleta de beleza, sombria e poderosamente perturbadora [...] Uma obra engenhosa, como o melhor de Nabokov.” - William Boyd, New Statesman Books of the Year


“O estilo de Wyld parece emergir de algum lugar profundo; algum lugar um pouco angustiante e estranho. Pela primeira vez, o hype corresponde ao talento.” - Lucy Atkins, The Sunday Times

3/08/2015

Especial Dia Internacional da Mulher - Seja você mesma, esqueça os rótulos!


Não é de hoje que as mulheres lutam para conseguir respeito próprio e tentam conquistar seu lugar na sociedade, mas, uma hora ou outra, sempre aparece alguém para vir dizer que "as mulheres só querem privilégios" ou até mesmo "as mulheres tem uma vida boa, graças ao machismo", sim, essa última eu tive o desprazer de ser obrigada a ler hoje, em pleno dia da mulher. Desde quando ser desmerecida, ganhar menos mesmo exercendo uma mesma atividade que um homem e nunca ser levada à sério é sinônimo de vantagem?
Pois bem, somos mulheres, já enfrentamos muito pra chegarmos aqui em pleno século XXI e ainda termos que enfrentar essa febre machista que toma conta de grande parte da população. Desde quando usar roupa curta te torna acessível ao estupro? Desde quando sair com os homens que eu quero me faz puta? Desde quando mulher não bebe? Não fuma?  Estou cansada de ser rotulada. Nem toda mulher gosta de rosa, nem toda mulher quer trabalhar em casa, nem toda mulher quer casar, nem toda mulher gosta de maquiagem.
Mas parabéns para nós mulheres. Parabéns para você que foi expulsa de casa por ter um filho. Parabéns para você que não vai arranjar ninguém, porquê não se cuida, não usa maquiagem. Parabéns para você que se sente ofendida à toa com os "elogios" dos pedreiros da outra rua. Parabéns para você que apanha do marido porquê "quer". Parabéns para você que foi traída, porquê não sabe segurar homem. Parabéns para você que é virgem e se faz de difícil. Parabéns para você que não serve pra casar, porquê já passou na mão de todo mundo. Parabéns, mas só por 24 horas, porquê "o resto do ano é dos homens."
Não, eu não sou feminista, mas também não concordo que as mulheres devam ser rotuladas. Fico ainda mais indignada com o fato de que quando as mulheres vão à luta por direitos, elas são discriminadas e sofrem na mão de comentários desnecessários e ofensivos. Hoje, por exemplo, no facebook, acompanhei várias postagens parabenizando o dia da Mulher, mas posso dizer que em nenhuma eu deixei de ver um comentário machista. Aqui estão alguns dos exemplos deixados por desconhecidos:

" Feminismo é comédia gratuita todos os dias."
"Aí tem uma conversinha particular com o patrão (se é que vocês me entendem) e consegue o que quer."
" Minha mente está aberta para negociações, machismo existe sim. Por isso vocês tem tanta vida boa, graças a ele."
"Porque as mulheres quando saem pro baile funk de shortinho curtinho e são estrupadas, a culpa e dos homens?"

Sim, admito que fiquei sem palavras quando li, e esses são apenas alguns dos comentários. Mas claro, que temos também uma parte que se faz presente e um deles me deixou realmente feliz, "Homem tem que entender que mulher é emotiva, fica menstruada e sente dor. Elas não tem que carregar mais peso do que já carregam, pois se não fossem elas a nos carregarem por 9 meses, nos protegendo em suas barrigas e abrindo mão do próprio corpo, não estaríamos aqui." Bom, Feliz dia da Mulher para todas nós! Hoje é um dia tão importante , sinto que não deve ser passado despercebido, por isso, selecionei trechos de alguns autores que nos mostram o quanto nós somos especiais e devemos sim nos dar valor. Confere comigo:


O homem pensa.
A mulher sonha.
Pensar é ter cérebro.
Sonhar é ter na fronte uma auréola.
O homem é um oceano. 
A mulher é um lago.
O oceano tem a pérola que embeleza.
O lago tem a poesia que deslumbra.
O homem é a águia que voa.
A mulher, o rouxinol que canta.
Voar é dominar o espaço.
Cantar é conquistar a alma.
O homem tem um farol: a consciência.
A mulher tem uma estrela: a esperança.
O farol guia.
A esperança salva.
Enfim, o homem está colocado onde termina a terra.
A mulher, onde começa o céu.
Victor Hugo

"Moço, cuidado com ela!
              Há que se ter cautela com esta gente que menstrua...
              Imagine uma cachoeira às avessas:
              cada ato que faz, o corpo confessa.
              Cuidado, moço às vezes parece erva, parece hera
              cuidado com essa gente que gera
              essa gente que se metamorfoseia
              metade legível, metade sereia."
              Elisa Lucinda


 Toda mulher é doida. Impossível não ser. A gente nasce com um dispositivo interno que nos informa desde cedo que, sem amor, a vida não vale a pena ser vivida, e dá-lhe usar o nosso poder de sedução para encontrar "the big one", aquele que será inteligente, másculo, se importará com nossos sentimentos e não nos deixará na mão jamais. Uma tarefa que dá para ocupar uma vida, não é mesmo? Mas além disso, temos que ser independentes, bonitas, ter filhos e fingir, às vezes, que somos santas, ajuizadas, responsáveis, e que nunca, mas nunca, pensaremos em jogar tudo para o alto e embarcar num navio pirata comandado pelo Johnny Depp, ou então virar loura e cafetina, sei lá, diga aí uma fantasia secreta, sua imaginação deve ser melhor que a minha. Eu só conheço mulher louca. Pense em qualquer uma que você conhece e me diga se ela não tem ao menos três dessas qualificações: exagerada, dramática, verborrágica, maníaca, fantasiosa, apaixonada, delirante. Pois então. Também é louca. E fascinante. Todas as mulheres estão dispostas a abrir a janela, não importa a idade que tenham. Nossa insanidade tem nome: chama-se Vontade de Viver até a Última Gota. Só as cansadas é que se recusam a levantar da cadeira para ver quem está chamando lá fora. E santa, fica combinado, não existe. Uma mulher que só reze, que tenha desistido dos prazeres da inquietude, que não deseje mais nada? Você vai concordar comigo: só sendo louca de pedra.

            Martha Medeiros